Por qual técnica anestésica devo optar?


Ficamos preocupados quando nosso animal de estimação apresenta algum problema de saúde. Quando o tratamento envolve algum tipo de procedimento cirúrgico, a preocupação é ainda maior, e o medo de que algo dê errado e arrisque a vida de nosso peludo nos tira muitas noites de sono. São várias as dúvidas e incertezas em relação ao melhor momento, melhor cirurgião, técnica cirúrgica mais adequada, e principalmente, melhor forma de anestesia. Faz-se necessário então esclarecer algumas coisas a respeito disso, para que o animal passe pelo procedimento com o mínimo de riscos e o máximo de benefícios.

A primeira coisa a ser considerada é tipo de procedimento que será realizado, sua complexidade e o estado geral do animal. Para ser submetido a um procedimento cirúrgico, é importante que o quadro clínico esteja o mais estável possível, pois sabemos que todo e qualquer procedimento implica em riscos (maiores ou menores) e toda droga utilizada altera em algum grau o sistema cardiorespiratório. Dessa forma, um bom exame clínico aliado a exames pré-operatórios é importante e necessário. Essa é a primeira etapa do processo, e se chama avaliação pré-operatória. Os principais exames que devem ser realizados incluem o hemograma completo, função hepática, função renal, e em alguns casos, eletrocardiograma e raio X de tórax. Isso porque a maioria dos anestésicos injetáveis tem metabolização hepática e são eliminados por via renal, além de exercerem ainda ação sobre o coração e pulmão, portanto as funções destes órgãos devem estar preservadas.

Anestesia local: utilizada em pequenos procedimentos, exames, biópsias, controle de dor aguda ou crônica. Técnica segura para animais críticos, podendo ainda ser utilizada no trans operatório em conjunto com a anestesia geral. Utilizam-se agentes que bloqueiam a condução nervosa quando aplicados localmente no tecido nervoso. O efeito é reversível, e após seu emprego há recuperação completa da condução nervosa.

*****************************************************************
- Anestesia inalatória: consiste na administração do anestésico na forma de vapor através de um tubo endotraqueal, atingindo o pulmão e de lá a circulação arterial e por fim, o córtex cerebral, onde exercerá sua ação. O grande diferencial deste método é que o anestésico chega ao cérebro em forma de vapor, possibilitando maior rapidez nas alterações anestésicas. Não ocorre metabolização hepática nem eliminação renal, o fármaco é eliminado diretamente pelas vias respiratórias.

Vantagens:
- Idade não é fator limitante
- Pronta metabolização e eliminação
- Recuperação rápida
- Custo reduzido (menos anestésico e Oxigênio)
- Controle do tempo hábil e planos anestésicos

Desvantagens:
- Requer equipamento específico
- Profissional tecnicamente preparado

Indicações:
- Pacientes Idosos
- Nefropatas
- Hepatopatas
- Cardiopatas
- Animais obesos
- Cirurgias complexas e cruentas (neoplasias, amputações entre outras)

*****************************************************************
- Anestesia injetável: nesse método o princípio ativo é injetado no paciente (por via intravenosa ou intramuscular), passa pelo sistema porta-hepático para ser metabolizado e depois alcança a circulação arterial, de onde vai até o córtex cerebral para exercer sua ação anestésica. A eliminação é, na maioria das vezes, pelo sistema renal.

Vantagens:
- Obtenção de bons planos anestésicos
- Praticidade de aplicação
- Pode ser utilizado como tratamento das intoxicações por anestésicos locais
- Dispensam aparelhagem específica
- Menor custo

Desvantagens:
- Biotransformação e recuperação tardias
- Relaxamento muscular limitado
- Carência de antagonistas específicos
- Depressão cardiorrespiratória dose-dependente

Indicações:
- Pacientes hígidos (saudáveis) e jovens (< de 7 anos)
- Procedimentos mais simples e rápidos (OSH, Orquiectomia, Laparotomia, profilaxia dentária entre outros)
- Felinos (adquirem bons planos anestésicos com anestesia injetável – dissociativa)

Conta Indicações:
- Cardiopatas, nefropatas e hepatopatas
- Pacientes idosos clínicos ou subclínicos (> 7 anos)
- Pacientes em choque
- Procedimentos muito complexos
- Cesarianas
- Pacientes muito debilitados

Embora a anestesia inalatória ofereça menos risco, não existe um método anestésico padrão, cada um terá seus prós e contras. É importante que o profissional sempre considere todos os fatores envolvidos, entre eles os custos, a viabilidade, a experiência, a saúde do animal, os exames complementares, a idade, e a partir daí decida o melhor caminho a seguir a fim de permitir um procedimento seguro e tranqüilo com uma recuperação rápida e plena.
Seu animal de estimação depende de você para ter uma vida saudável e equilibrada emocionalmente.
Esteja sempre atento às suas necessidades.

Referências :
SOARES, André Vasconcelos – Anestésicos Locais – Anestesiologia Veterinária, UFSM, 2010
SCHIESS, Guilherme – Anestesia Local: quando e como utilizá-la? – UNESP Botucatu, 2012
POLYDORO, Alexandre da S. - Anestesia Inalatória versus Injetável: uma visão realista de suas aplicações - Laboratório Hennemann, Canoas | RS, 2012

12 comentários:

  1. Magda, simplesmente adorei sua postagem.

    Li atentamente...aprendi.

    No ano passado, minha Flor precisou passar por uma cirugia...tirar um tumorzinho na mama e fez o exame clínico e todos os exames pré-operatórios . Deu tudo certo e não era maligno, graças a Deus.

    Quem ama cuida!!

    Adorei os dizeres da plaquinha ali na lateral do seu blog.

    Vou gravar assim de um dos lados.

    beijinhos, tenha uma semana bem bonita!

    Lígia e =^.^=

    ResponderExcluir
  2. Olá, Magda!
    Este post vem me dar alívio. É que meu Leo (boxer) vai sofrer uma cirurgia na próxima 5º feira (epúlide...) e o vet falou que vai fazer anestesia inalatória e seu post me deixou mais tranquila: apesar do cão já ter 8 anos, a clínica é muito bem equipada e o vet-cirurgião é ótimo.
    Obrigada!

    Abração
    Jan

    ResponderExcluir
  3. Oi Magda,seus ensinamentos são de muita valia a todos que precisavam dessas palavras de conforto,pois existem dúvidas aos atos cirúrgicos com animais.
    bjs amiga
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  4. oi Magda sempre ótimas suas postagens minha Aika por ser idosa foi usada a inalatória bjs Rosinha

    ResponderExcluir
  5. Oi Magda vim conhecer teu blog e gostei da seriedade com que tratas os assuntos. Que bom compartilhar isto com os amigos.
    Boa 5ª feira, abraço e apareça ...

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela pesquisa, Magda
    Muito bem feita e aprendí muito com ela.
    Obrigada pela gentil visitinha, viu?
    Fiquei feliz!
    Te desejo uma ótima tarde e um lindo final de semana.
    Um beijinho carinhoso de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  7. Magda, como sempre, seus posts são muito esclarecedores. Tenho pensado muito nesse tema, pois tenho uma cadela, agora com 4 meses, que irei castrar futuramente. Estou muito preocupada a onde levá-la, para que sofra o mínimo possível com o procedimento. Muita paz!

    ResponderExcluir
  8. O meu Kibon foi anestesiado via injetável para fazer ula limpeza aos dentes.
    Custou-me ver o seu "acordar". Estava bem desorientado mas dentro da normalidade.

    ResponderExcluir
  9. Magda,
    Eh muito bom ler suas postagens! A gente se informa e aprende. Meu marido quer me dar um cachorrinho e ultimamente tenho lido sobre como ensina-lo. Vou passar mais por aqui!
    Bjs e uma noite de paz!

    ResponderExcluir
  10. Querida Magda: esta postagem trouxe-me um pouco de tristeza, pois a minha gatinha Valentina, que já estava comigo há 16 anos, não resistiu a uma intervenção cirúrgica . Quer dizer ,ainda durou um mês após a anestesia, mas tenho a impressão que este procedimento acelerou a sua morte. Tentamos sempre fazer o melhor para os nossos amados animais,mas nem sempre isso acontece, infelizmente. No entanto e como sempre, as suas dicas são ótimas e espero que sirvam de alerta para os donos.
    Bjn
    Márcia

    ResponderExcluir
  11. Querida Magda
    Te desejo um abençoado final de semana
    Com muita Paz e Luz
    Beijinhos carinhosos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  12. Muito bom o seu blog, estive a percorre-lo li alguma coisa, porque espero voltar mais algumas vezes,deu para perceber a sua dedicação em partilhar o seu saber.
    Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante.
    E se gostar e desejar comente.
    Que Deus vos abençõe e guarde.
    Abraço.Peregrino E Servo.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir