30/01/2013

Diga NÃO ao abandono!

O crime de abandono de animais acontece em todas as classes sociais, pelos mais diversos motivos: o “criador” não quer gastar dinheiro com a cria que não é perfeita, o gato arranhou o sofá, o cão latiu demais, o animal ficou velho ou doente, a família vai viajar, os responsáveis vão ser pais, vão se mudar e não poderão levá-lo…

Muitas “doenças” que aparentemente parecem difíceis de tratar, são muitas vezes de cura rápida e simples. Consulte o veterinário ou alguém que conheça o assunto para te orientar. Não abandone seu animal no momento em que ele está frágil e sofrendo, porque se isto acontecer, você o estará condenando a mais sofrimento, privações e talvez, até a morte.

Comportamentos indesejados (como latidos, xixi fora do lugar, destruição de objetos, brigas com outros animais) também podem ser corrigidos através de adestramento profissional ou educação firme, sem agressão, por parte do dono.

O crime de abandono de animais acontece em todas as classes sociais, pelos mais diversos (e às vezes fúteis) motivos: o “criador” não quer gastar dinheiro com a cria que não é perfeita, o gato arranhou o sofá, o cão latiu demais, o animal ficou velho ou doente, a família vai viajar, os responsáveis vão ser pais, vão se mudar e não poderão levá-lo…

Comportamentos indesejados (como latidos, xixi fora do lugar, destruição de objetos, brigas com outros animais) também podem ser corrigidos através de adestramento profissional ou educação firme, sem agressão, por parte do dono.

Mudanças de residência, viagens de família, separações, casamentos, filhos, tudo isto normalmente pode acontecer com a maravilhosa companhia de um pet de estimação. Converse com os membros da família e continue acolhendo seu animal, mesmo quando sua vida passa por mudanças. Sobre a sua vida você pode ter controle, mas sobre a dele, nas ruas, ele certamente não terá nenhum.

Já a velhice é natural do ciclo da vida e nós, humanos, também ficaremos velhos. É um ato covarde jogar na rua um animal que te acompanhou por tanto tempo, somente porque está debilitado, não tem mais dentes ou não se locomove com facilidade. Imagine o quanto ele deve estar precisando de sua ajuda. Encontre um cantinho abrigado para ele, com comida e água para que ele possa viver o resto de seus dias de forma digna. Ele não te abandonaria se você estivesse doente ou velho. E são inúmeros os relatos de animais que não abandonam o corpo do dono, mesmo por dias a fio, após sua morte ou sepultamento.

Vamos agir com humanidade e não permitir que estes animais sejam vítimas da negligência e do sofrimento.

www.acaoanimal.com.br